Espiritualidade Mensagens Reflexões

A nova mensagem do Dr. Bezerra de Menezes sobre a pandemia da covid-19.

Com bondade e sobriedade, o Dr. Bezerra de Menezes traz a sua mensagem com as revelações e as preciosas informações.

– Filhos da Luz Divina: Louvado seja o Senhor por todos nós!

Nesta soberana composição também ressudam as vozes humanas em descompasso pelas dores insuportáveis dos fenômenos angustiantes que grassam na Terra.

São os seres humanos que estertoram nos equívocos nos quais se fixaram, na queda aos abismos que se permitiram, na rebeldia desvairada que os domina, nos resgates inadiáveis a que estão sendo submetidos.

A Providência atende aos apelos dos sofredores que sentem necessidade de paz e permite a pandemia punitiva, para fazê-los despertar para a realidade de seres imortais que são, de modo que se revejam e se autoanalisem, volvendo aos caminhos do amor que ficaram atulhados de ódio e soberba, de viciações e embriaguez dos sentidos.

A Terra é uma casa abençoada para aprendizados, não uma nau sem rumo.

À medida que a cultura vinha enlouquecendo os seres narcisistas e utilitaristas, tornava-se inevitável um movimento edificante reacionário à luxúria e à anarquia.

Fingia-se acreditar que a vida é resultado do fortuito, do inimaginável, sem objetivo, qual se fosse a Terra uma nau fantasma que apareceu no mar do Cosmo e logo mais se consumiria no nada.

Aproveitar as suas concessões grosseiras seria a única maneira de viver, de desfrutar a existência caótica para eles.

Tudo quanto induza ao amor e à renúncia das paixões animalizadas tem recebido aceitação indiscutida, enquanto as propostas de saúde moral tombam na zombaria e no descrédito.

Como essa é uma visão nefasta e mentirosa, as leis que a engendraram e a comandam sob a orientação de Deus, após experimentarem muitas guerras entre nações que são submetidas por outras mais poderosas, surgiram com a proposta da pandemia que aterroriza os mais audaciosos e os menos corajosos.

O resultado infeliz dos sonhos de soberania e grandeza.

Países tecnologicamente bem equipados e moralmente perdidos no ateísmo e nas suas célebres correntes de poder, apaixonados pela transitoriedade do seu tempo, encontraram na microbiologia vírus destrutivos para uma futura guerra biológica.

Quando os seus argumentos de força e de compressão falharem, poderiam trabalhar cepas de influenza e outras doenças, criando, na atualidade, o terrível assassino que ora os vence também…

Eis aí o resultado infeliz dos seus sonhos de soberania e grandeza, transformando-se em pesadelos terríveis sem um despertar tranquilo.

Como são pigmeus pretensiosos, que estão descobrindo as bordas do conhecimento mas se encontram muitíssimo distantes da realidade da Vida, o Senhor de bondade e sabedoria a todos convoca à reflexão pela própria impotência, a redescobrir a pequenez.

A pandemia um dia cumprirá o seu objetivo: o advento de Novos Tempos.

À semelhança de vezes anteriores, em que as pandemias ameaçaram a existência humana e desapareceram após cumprirem o seu objetivo, a atual é portadora de um programa seletivo de Espíritos para preparar o advento dos Novos Tempos.

Certamente serão afetados milhares de seres que se encontram na pauta vibratória da virose, mas estarão resgatando outros graves comportamentos, a fim de se ajustarem à ordem que será vigente no planeta, logo mais, quando tudo se acalmar e a Lei de Progresso funcionar com mais rigor.

Todo aquele que se encontre na faixa imunológica favorável à contaminação, em decorrência da conduta moral que se tem permitido, experimentará o cutelo da desencarnação, preparando-se para acompanhar o progresso do planeta, logo se recupere dos desaires e se encontre em condições de crescer no rumo da sabedoria.

Com o enorme êxodo de benfeitores da Humanidade interplanetária, que auxiliarão os candidatos à imarcescível luz da redenção, a renovação espiritual tomará conta de todos os quadrantes, qual primavera risonha abençoando escombros e arrancando deles flores e cor, beleza e harmonia para a paisagem festiva.

O Mestre reunirá os Seus discípulos e os iluminará ainda mais, a fim de que toda sombra que permaneça seja diluída pelas claridades incomparáveis do bem e da união das almas no grande banquete da paz.

As mãos do sofrimento atingirão muitas vidas.

Enquanto isso não ocorre, as mãos do sofrimento asfixiarão muitas existências, que despertarão nos estertores da agonia para as futuras experiências de fraternidade num imenso cantochão de humildade e afeto à vida em todas as suas manifestações.

A fim de que também nós outros compreendamos a necessidade do auxílio mútuo e de que a felicidade pessoal é resultado das bênçãos que jorram fora de nós, estamos honrados com o ensejo de participar das horas difíceis dos que estarão expurgando ignorância e presunção, de modo a evitarmos ocorrências semelhantes conosco.

É hora grave e santa. A dor do próximo é nossa também, suas lágrimas são suores em nós, e o seu desespero nossa oportunidade de servir-lhes atenuando-lhes a aflição.

O socorro celeste sempre está próximo a nós.

O Celeste Amante sempre desce aos vales terrestres em missão socorrista, mas nestes próximos dias enviou-nos como se fôssemos estrelas capazes de diluir a escuridão e projetar claridade no Infinito.

Acompanharemos tragédias nefandas defluentes das obsessões teimosamente ignoradas pelos seres reencarnados, então buscaremos inspirá-los à retidão e ao bem sem cessar, sem a certeza do êxito, que é sempre do Pai, todo misericórdia.

Objetivaremos evitar suicídios diretos ou não, acalmar as ansiedades, estimular a confiança irrestrita no Senhor e caminhar com os trôpegos tentando ajudá-los a permanecer de pé, irredutíveis na Bondade Divina, mesmo aparentemente sob chuvas de calhaus e desesperos.

Jamais nos cabe o amor particularista a uns em detrimento de outros, porque todos são nossos irmãos credores de ternura e de amparo.

Cuidaremos de inspirar calma e paz nos casos de possessões graves e não diagnosticadas pelas ciências médicas, nas ocorrências de vampirizações, sem julgamentos e nem preocupações com as causas, compreendendo que tudo obedece à ordem universal, competindo-nos somente auxiliar e tentar libertar do mal.

A sociedade terrestre está necessitando aprender pela experiência do sofrimento a correção moral do comportamento e a educação mental dos pensamentos, de modo que conclua ser a casa mental a sede da vida pensante, portanto, a área cocriadora da Vida.

Compreendemos que não se trata de uma renovação quântica, de um para outro momento, mas estes dias são o prenúncio do que podemos produzir em favor do mundo, conforme o direcionamento a que se ofereçam os indivíduos, que elegerão o melhor rumo a tomar.

Todos os cuidados devem se tomados, materiais e espirituais.

A questão da imunologia pessoal está programada para cada vida, tendo-se em vista o seu passado e o programa no futuro ao qual se vinculará.

Os setores de saúde já possuem vários protocolos sobre o comportamento da pandemia. Na primeira fase, são os sintomas da tosse seca, da febre, de dores no corpo, tudo como sinal de gripe, logo depois vem o agravamento, até a fase que necessita de internação hospitalar com a entubação do paciente e os seus efeitos.

Cabe-nos inspirar cuidados logo aos primeiros sinais, de modo que o organismo, amparado pelas substâncias anti-infecciosas, reaja e evite as fases seguintes.

Nunca desconsiderar a excelência da oração que fortalece os centros vitais e revigora as energias inibidoras, matando o vírus.

A transmissão dos fluidos pelos passes é também de vital importância em qualquer fase da doença, especialmente por agentes saudáveis moralmente e portadores da faculdade de cura.

Em todos os momentos vincular-se a Jesus, o Divino Médico das Almas, e aos Seus mensageiros entregues à enfermagem da caridade na linha de frente, protegendo todos aqueles que correm perigo de contaminação.

O Divino Amparo não os deixa, mesmo quando as suas construções de fé religiosa não os ajudam nos cuidados pessoais de defesa.

Bezerra de Menezes finaliza a sua mensagem sobre a pandemia.

A grande batalha está em fase inicial e todos devemos orar para que o Senhor nos conceda misericórdia, a fim de ser ultrapassado o seu período de contaminação e possível desaparecimento ou mudança de paisagem evolutiva.

Exorando a proteção do Senhor para todos nós, deixemo-nos arrastar pela Sua Sabedoria.

E assim, Bezerra de Menezes, o médico dos pobres, finaliza a sua mensagem trazendo as explicações e orientações que envolvem este dramático período da pandemia.

Deixando a todos sensibilizados e emocionados, silenciosamente vai ocupar o seu lugar ao lado de Ismael.

José Batista de Carvalho

Referência

Do livro “No Rumo do Mundo de Regeneração”, de Manoel Philomeno de Miranda, psicografado por Divaldo Franco

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *